Páscoa - um ano assim, um ano assado


Muita coisa separa estas duas Páscoas. Em 2016, foi uns dias antes de fazer uma rutura de ligamentos e do pai começar a quimioterapia. Fazia frio. Tinha quem me aquecesse os dias. Em 2017, o sol veio equilibrar as contas. É o sol que me aquece, calor de um amor distante. Também 6 kgs separam estas Páscoas.

Porque a vida é impermanente e porque "Carnaval na rua, Páscoa em casa", há anos em que há praia no Carnaval e anos em que há praia na Páscoa. Por altura das celebrações da Páscoa, em 2016, na viagem que fiz a Salamanca, andava com roupa de Inverno e, este ano, fui a banhos! 

A Páscoa constitui um ritual de passagem, é morte e renascimento, renovação, novas oportunidades, com o sofrimento que todas as grandes transformações exigem. Ensina-nos o perdão porque "eles (nós) não sabem o que fazem". Ensina-nos o preço a pagar por uma nova vida. Todavia a vida não pode ser um castigo mesmo quando às vezes parece que nos deixa a olhar para uma parede. E que difícil é não crucificar e não nos crucificarmos. 

Páscoa 2017

Fim-de-semana de Páscoa em Vila Nova de Milfontes - Rio Mira e Praia do Malhão

Páscoa 2016

Viagem a Salamanca, na semana antes da Páscoa. Na última fotografia, em Belmonte.


Do lado esquerdo, procissão do Domingo de Ramos em Salamanca. Do lado direito, os folares da tia Lena, em Milfontes.

Comentários

  1. life is a everlasting journey!

    Conhecendo te bem, ( ou relativamente bem) é muito bom saber que estás bem e que deste a volta por cima beijinhos

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares